quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Um dia de greve

 

Bem, há séculos que não vinha aqui!!... e aproveitei a greve geral deste dia (mais uma), para limpar este estaminé, tirar as teias de aranha deste blog e matar as traças que corroem estes posts...

E nada melhor do que contar um episódio que se passou comigo há uns (valentes) anos atrás, quando andava na Faculdade de Ciências de Lisboa

Também esse dia era dia de greve, só que dos estudantes. Se não me engano era dia de greve e luto estudantil pelas propinas (ou algo semelhante). E coincidia também com o dia de entrega de um trabalho de uma cadeira que tinha. Ao chegar à faculdade, dei com todas as entradas fechadas a cadeado e com piquetes de membros da Juventude Comunista Portuguesa (JCP) e da Juventude Socialista (JS)... engraçado ver que passado muitos anos, nenhuns daqueles jovens está hoje no desemprego e um deles até um conhecido deputado comunista que até já anda de fato (mas sem gravata...). Sendo alguns deles meus colegas na dita disciplina fiz-lhes ver que era o dia de entrega do trabalho e que somente queria entrar para entregar o trabalho ao professor (ainda não havia as entregas via e-mail, como há hoje...) e não para furar nenhuma greve...

Jovem político: "Não, pá! Não podes entrar, pá! Estamos em luta, pá!"
Eu: "Pois... eu sei... mas era só mesmo para entregar o trabalho ao prof. X. É que como tu bem sabes, hoje é o dia de entrega...."
Jovem político: "Não, pá! Isso seria furar a greve, pá! Não podemos beneficiar ninguém, pá! É um sacrifício que tens de fazer em prol da nossa luta estudantil, pá!"

Muito bem. Não podia, não podia. Não ia contrariar dezenas de elementos partidários que estavam a bloquear todas as entradas, sob pena de me acontecer alguma coisa.

No dia em que voltei a ter a dita disciplina, fui ter com o professor logo no início da aula para lhe entregar o meu trabalho, quando ele teve esta breve conversa comigo:

Professor: "Meu caro, infelizmente a data de entrega dos trabalhos já passou. Hoje é para eu entregar os trabalhos... Infelizmente vai ter zero neste e nos próximos vai ter de recuperar a nota..."
Eu: "Mas professor, no dia de entrega do trabalho houve greve dos alunos e todas as portas da faculdade estavam bloqueadas pelo pessoal das Jotas."

Professor: "Pois, isso já não sei... o que sei é que o prazo de entrega dos trabalhos já passou e houve quem tivesse entregue nesse mesmo dia. Portanto se houve quem tivesse entregue, não percebo porque o senhor não entregou. Como tal não posso receber o seu trabalho, pois não iria ser justo com quem entregou a tempo e a horas."

Bem, fiquei estupefacto com o facto de ter havido alguém a entregar o trabalho, visto que todas as portas estavam bloqueadas...

Fui sentar-me e na altura em que o professor começou a entregar os trabalhos já corrigidos e com notas, pude ver os sortudos que tinham conseguido furar a greve, entregar o trabalho e não ser penalizados... Qual não foi o meu espanto (ou não) quando vi que os únicos que tinham entregue os trabalhos eram os jovens de JCP e JS que estavam a bloquear as portas para ninguém entrar...

Como diz o ditado: "Faz o que eu digo, não faças o que eu faço".

Um grande abraço e beijinhos a todos e espero que tenham um bom dia de greve! ;)

Tchau, que eu vou trabalhar! Hasta! :)




2 comentários:

Luis Gomes disse...

pensei que ias contar a tua ida ao estadio da luz..

va lá..ao menos uma historia nova...

Carlos Rangel disse...

Luis: Um dia escrevo todas essas estórias... mas essa como muita gente já a sabe, acho que não vale a pena ;)